rss
email
twitter
facebook

01 outubro 2008

Uma relação dualista

Copiei esse título de uma newsletter que recebi. Porque faz tempo que queria escrever esse post, mas sempre sem sucesso. Então resolvi começar com um plágio, pra ver se desencantava.
Queria escrever sobre apreensão: em relação àquilo que se saber que vai ocorrer e em relação a outras coisas que se quer que aconteçam. Saber que algo vai acontecer é um fardo inexplicavelmente pesado porque coloca a pessoa na obrigação de se preparar e tira dela o álibi do 'elemento surpresa'. E reforça aquele pânico, porque, às vezes, não há nada que se possa fazer.
E queria escrever sobre incerteza e sobre como seria bom poder saber o que não se sabe e se quer descobrir. Mas não posso. Hoje, eu sou um paradoxo como aquele personagem de Alice no país das maravilhas, que está sempre parado e mede as horas em um relógio parado.

2 comentários:

KassyKassandra disse...

Mesmo um relógio parado está certo duas vezes ao dia...

Clichê, mas verdade!

Relaxa, nos vemos nas minhas férias (aquela que acredita que uma ceva resolve tudo)


Beijos

Rochele disse...

A gente está sempre em dúvida e isso é bom. Nos faz analisar melhor, pensar em vários aspectos. Quem tem muita certeza de tudo uma hora erra feio.
Bom te ver, pena que foi rapidinho.